O sucesso do programa de renegociação de dívidas Desenrola irá fazer com que siga até 2024. O governo federal pretende prorrogar o prazo que se encerra em 31 de dezembro por mais três meses para permitir que mais pessoas possam aderir ao programa.

De acordo com o secretário de Reformas Econômicas do Ministério da Fazenda, Marcos Barbosa Pinto, uma medida provisória será enviada ao Congresso nacional para estender o prazo.

Além disso, o requisito de ter uma conta prata ou ouro do Gov.br para ter acesso às renegociações poderá ser colocado de lado. O governo avalia a situação junto aos bancos e a B3 com a ideia de ampliar o número de pessoas com acesso, mas sem descuidar da segurança das operações.

“A gente não acha que esse [grau prata ou ouro] seja o maior empecilho para as negociações acontecerem num ritmo ótimo, mas a gente acredita que é um ponto que pode causar algum entrave para algumas pessoas. Queremos abrir mão desse requisito e trabalhar com os bancos uma solução de segurança”, disse Barbosa.

Coletiva de Imprensa sobre o Censo Nacional Desenrola. Foto: Diogo Zacarias

As informações foram passadas para a imprensa durante a divulgação dos primeiros resultados do programa, chamado de Censo do Desenrola.

Desde quando o programa foi instaurado, em julho, foram renegociados R$ 29 bilhões em dívidas, com 10,7 milhões de devedores beneficiados.

O maior volume de renegociações cobriu dívidas financeiras (cartão de crédito), sendo que foi possível atribuir que em 96% das cidades brasileiras algum cidadão aderiu ao Desenrola.

O programa, que abrange dívidas negativadas entre 1º de janeiro de 2019 e 31 de dezembro de 2022, chega a oferecer até 98% de desconto, neste caso, para pessoas que recebem até dois salários mínimos ou estejam no CadÚnico (Cadastro Único).

Pelas regras do programa, o parcelamento pode ser feito em até 60 meses, com juros de até 1,99% ao mês, sendo que os juros médios cobrados chegaram a 1,8% ao mês.

*Com informações Agência Brasil e Planalto